Seja bem-vindo(a)!

Aproveite esta oportunidade para compartilharmos informações, textos, ideias e reflexões a respeito do processo de ensino e aprendizagem.
O conteúdo deste blog é direcionado a professores, coordenadores pedagógicos e diretores de instituições públicas e particulares de ensino, além de psicopedagogos, pais e interessados na prevenção contra problemas de aprendizagem.

Pense Nisso!


Nada está no intelecto que não tenha passado antes pelos sentidos
(Provérbio antigo)

http://www.meusrecados.com/frases_proverbios.php">MeusRecados.com - Frases de Provérbios para Orkut


sexta-feira, 10 de julho de 2009

A CRIANÇA ENTENDE O QUE OUVE "AO PÉ DA LETRA"

“AO PÉ DA LETRA”



A expressão “ao pé da letra” pode ser vista como o entendimento da mensagem exatamente sobre o que ela diz.
Certa vez ouvi uma história a qual tratava sobre um menino de cinco anos que estava na praia com seus pais. Chegando o horário do almoço sua mãe resolveu ir para casa com o objetivo de preparar a refeição. Deixando pai e filho brincando na areia ela recomendou ao marido: “Olha, Fulano, cuidado com esse menino, hein! Não tire os olhos dele, por favor!”
Bem, o filho parecia estar muito distraído, porém, assim que a mãe foi embora ele perguntou ao pai: “Papai, você vai tirar meu olho?”
Ora, o texto tem ar de piada, não é? Mas é sério. Representa o quanto a criança é capaz de observar e os adultos subestimam essa capacidade e como ela leva “ao pé da letra” o que ouve.
Portanto, é primordial que tenhamos muito cuidado ao falarmos com as crianças ou perto delas.
Às vezes o que conta não é o que ouvem, e sim, como interpretam o que ouvem ou o modo como lhe são ditas as palavras. Em ambos os casos pode-se gerar grandes e significativos conflitos de ordem emocional, psíquica, causando baixa autoestima, desestímulo para a vida, insegurança, falta de autoconfiança, medo, pavor até de si mesmas e outros tantos problemas os quais poderão se estender ao longo da vida até a fase adulta, ou ainda venham se manifestar apenas na fase adulta.
Um exemplo recente é o que ocorreu com o saudoso Michael Jackson.
Segundo informações passadas pela mídia, pessoas do mundo inteiro puderam acompanhar, entre tantos fatos expostos sobre sua vida houve um que chamou muito a minha atenção. O pai dele, durante sua infância, o chamava de “macaco” e dizia que seu nariz era “horrível”. Talvez isso tenha lhe traumatizado ao longo de sua existência a ponto extremo de querer modificar a cor de sua pele e reformular o formato do seu nariz, enfim, realizar plástica justamente nos detalhes do corpo que provavelmente mais o incomodavam por conta do que ouviu por tantas vezes do pai. Não somente quis mudar como o fez.
Tudo o que ocorre na nossa vida e na vida alheia não é por acaso. Há um propósito divino que serve para ensinar algo. Nem sempre conseguimos captar os ‘porquês’, pois estamos mergulhados no materialismo desconsiderando cada vez mais a essência do SER. Todavia, quando temos a oportunidade de perceber o que está por trás dos acontecimentos precisamos nos render à reflexão e, no mínimo, tentar aproveitar os ensinamentos.
Retomando o tema do presente texto muitas vezes falamos sem pensar, e se compreendermos que somos “crianças grandes” poderemos comprovar que realmente a situação é delicada. Quantas vezes nos sentimos ofendidos e magoados com o que ouvimos de alguém sobre nós (quando a fala é negativa)? Como nos sentimos quando alguém diz que somos incapazes de realizar algo? Quantas vezes levamos “ao pé da letra” o que nos dizem e acabamos reagindo impensadamente de acordo? E como nos sentimos quando somos elogiados e valorizados?
É de suma importância ter cuidado com a linguagem utilizada com a criança.
Lembro-me de uma situação que ocorreu comigo mesma e sempre que posso a coloco como exemplo.
Quando meu lindo sobrinho-afilhado era bebê toda vez que eu via os pezinhos dele descoberto, sem meia, eu falava: “Eu vou comer o seu pezinho!” (achava lindos os pezinhos dele, aliás, os de todos os bebês são lindinhos, não é verdade?). Conclusão: ao começar a andar e estando já com passos firmes se locomovendo sozinho notei que nas épocas quentes não havia quem conseguisse fazer com que ele usasse sandalinhas ou chinelinhos. Ele não ficava descalço de maneira nenhuma. Não gostava de mostrar os pés. A sorte foi que em tempo me recordei do fato e então tive a ideia de tentar reverter o quadro. Comecei a elogiar os pés dele principalmente quando estavam expostos. Elogiava as sandálias e os chinelos e falava que seus pezinhos ficavam lindos naqueles calçados. Graças a Deus o problema foi superado.
Eu não via maldade ao dizer que comeria o pezinho dele, mas ele, com certeza, levou “ao pé da letra”.
Hoje, sendo psicopedagoga compreendo com mais propriedade essa questão.
Pensem nos inúmeros rótulos que as crianças recebem de seus pais, familiares, professores, pessoas desconhecidas etc.
Quando uma criança é chamada de “burra”, por exemplo, ela pode se ver como um animal de quatro patas, orelhas grandes e se achar diferente dos outros. O problema piora se esse rótulo é dito diante de outras crianças, pois geralmente dão risadas, “tiram sarro”, fazem piadinhas, podendo ocasionar o bullyng.
Portanto, a partir de nós mesmos é possível entender melhor o comportamento das crianças, as causas geradoras de atitudes aparentemente inexplicáveis, muitas delas fora dos padrões sociais e as conseqüências quase sempre desastrosas dessas atitudes.
Noêmia A. Lourenço
Comente você também! Relate experiências! Esse espaço é para isso. Você já pensou na maneira como as crianças interpretam o que vê e ouvem? Observou alguma situação que retrata o conteúdo deste texto?

Nenhum comentário: